Da tela do computador para a palma da sua mão

A transição da internet das telas dos notebooks e desktops para os smartphones nos últimos anos fez com que ela se tornasse de uso cada vez mais pessoal. Segundo o Google,  2015 foi o ano em que o mobile ultrapassou o desktop, ou seja, estamos integrando cada vez mais a internet à nossa vida cotidiana.

Uma pesquisa realizada por Jan Chipchase’s, pesquisador da Nokia, no ano de 2007, fez a seguinte pergunta a cidadãos americanos: se você só pudesse escolher três itens que pudesse levar consigo ao sair de casa, quais seriam? A grande maioria respondeu chaves, dinheiro e celular, respectivamente. As chaves dão acesso ao nosso lar e transporte, o dinheiro nos permite comprar itens de necessidade básica e o celular, entrar em contato com quem precisamos.

Se em 2007 já era assim, imagina em 2016, quando os smartphones estão cada vez espertos e guardam o histórico de nossas interações, desejos e intenções. Entender o comportamento do consumidor para criar soluções cada vez mais customizadas é o desafio dessa nova geração de dispositivos que estão cada vez pessoais.

283,5 milhões era o número de linhas de celulares ativas no Brasil em maio de 2015 segundo a Anatel.

A revolução dos dispositivos móveis é apenas o começo de uma nova geração tecnológica também conhecida como IOT (internet das coisas) que promete em muito breve conectar acessórios de uso pessoal a essa grande rede para atender de forma ainda mais dinâmica os nossos anseios.

Se por um lado a velocidade destas mudanças nos assustam um pouco, por outro temos que nos adaptar para estar na vanguarda da tecnologia e estar preparados para utilizá-la a nosso favor, seja em melhorar a nossa qualidade de vida ou nos tornar mais competitivos em um mercado cada vez mais virtual.